Delegação de Angola visita MJSP para conhecer experiências de combate à corrupção -


por publicado: 13/08/2019 09h23 última modificação: 13/08/2019 09h30

Brasília, 13/08/2019 – Uma delegação de Angola foi recebida pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, nesta segunda-feira (12). A missão angolana ao Brasil tem por objetivo conhecer o modo de funcionamento do sistema anticorrupção do Brasil no que concerne às áreas de investigação, auditoria e controle, bem como identificar os mecanismos de cooperação.

Moro recebeu Sebastião Domingos Gunza, Ministro inspetor-geral da Administração do Estado de Angola. Na ocasião, o inspetor-geral explicou o contexto político e histórico de Angola e os esforços em combater a corrupção e a improbidade administrativa. O ministro da Justiça e Segurança Pública abordou sucintamente a atribuição da pasta e colocou a instituição à disposição para colaborar e cooperar com a delegação. Está prevista reunião com representantes do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), para conhecer a Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla).


Fizeram parte da delegação angolana, além do inspetor-geral: embaixador de Angola no Brasil, Nelson Manuel Cosme; Tomás Gabriel Neto Joaquim, inspetor-geral-adjunto da Administração do Estado de Angola; Rosa Micolo dos Santos, inspetora-geral-adjunta da Administração do Estado de Angola; Simão Mateus, diretor do Gabinete de Intercâmbio e Cooperação da Inspeção Geral da Administração do Estado; António André Simões, diretor do Gabinete do Inspetor-Geral da Administração do Estado; e Daniel Domingos João, diretor do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa.

Pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, estiveram presentes: Fabrizio Garbi, diretor-adjunto do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional; Cláudio Py, chefe da Assessoria Especial de Controle Interno; Julieta Verleum, assessora especial; e Geórgia Diogo, assessora especial internacional.

Leia mais: https://justica.gov.br/news/collective-nitf-content-1565698535.65


Leia Também:

Anterior:

Próxima: