Os prós e contras do copinho coletor e da calcinha menstrual -


Alternativas modernas aos tradicionais absorventes ganham cada vez mais adeptas no país

Já dizia Rita Lee, mulher é bicho esquisito, todo mês sangra. Quando o assunto é menstruação, muita coisa mudou desde o tempo de nossas avós. Cada vez mais empoderadas, as mulheres vêm buscando alternativas práticas e mais higiênicas para enfrentar o período menstrual. O uso dos tradicionais absorventes tem sido criticado pelas novas gerações por causa do desconforto e dos imprevistos que podem ocasionar; e até mesmo pelo impacto que causam no meio ambiente. Alternativas mais modernas, os coletores e as calcinhas menstruais vêm ganhando adeptas no país. Muitas, no entanto, ainda têm dúvidas se esses apetrechos trazem riscos à saúde íntima.

O coletor menstrual, também chamado de “copinho”, tem formato de cálice e é usado para coletar o sangue menstrual. É ajustável ao corpo, hipoalergênico e, sobretudo, econômico. Custa entre R$ 70,00 e R$ 150, 00, mas é reutilizável, podendo durar de cinco a dez anos, se for bem conservado. A vantagem principal, no entanto, é que diferentemente dos absorventes tradicionais, que têm que ser trocados em intervalos de poucas horas, os coletores feitos de silicone só precisam ser retirados, esvaziados e lavados de cada 6 a 12 horas, dependendo da intensidade do fluxo menstrual.


“As mulheres que desejam experimentar o coletor menstrual precisam antes saber que ele é colocado na entrada da vagina e, por isso, pode causar um certo desconforto nas primeiras vezes de uso. E embora ofereça baixo risco de infecções, é fundamental que elas tenham preocupação com a higiene. É preciso limpá-lo bem antes de reutilizá-lo para que o canal vaginal não seja infectado por bactérias”, alerta a ginecologista Juliana Pierobon, da Altacasa Clínica Médica, na capital paulista.

Manter o coletor limpo é simples. Basta lavá-lo com água e sabão durante o período menstrual e, depois, fervê-lo e guardá-lo para ser usado no mês seguinte. Não há mau cheiro. Como o sangue não entra em contato com o ar, o coletor também não tem o mau odor dos absorventes usados.

“As marcas disponíveis no mercado oferecem dois tamanhos de coletores, um para mulheres que não tiveram filhos e outro para as que são mães. Quem ainda não teve relações sexuais precisa avaliar se vale a pena usar, já que o hímen pode se romper na hora de introduzir ou retirar o copinho. Mulheres que tiveram filhos há menos de 40 dias também devem evitar usá-lo principalmente pelo risco de infecção” orienta a médica.

Outra novidade é a calcinha menstrual, que possui tecido antimicrobiano com bloqueador de odores e alta capacidade de absorção. Pode ser usada por até 12 horas, inclusive durante os exercícios em academias. “A calcinha menstrual é como a tradicional que conhecemos. A única diferença é que, além de lingerie, ela absorve todo o fluxo menstrual. Como é preciso trocá-la todos os dias, são necessárias pelo menos três calcinhas desse tipo para os dias do ciclo. E é preciso lavá-las com cuidado assim que retiradas, para que sejam reutilizadas. Limpeza é fundamental”, enfatiza a Dra. Juliana.

Os preços das calcinha mestrual variam de R$ 75 a R$ 95. Quem já usou, aprovou. Dizem que ela é ainda mais prática do que o coletor. Não vaza, não deixa a mulher úmida e, em geral, é confortável e bem acabada, mas isso varia de acordo com a marca, já que existem algumas à venda pela Internet. Todas têm forro preto para evitar possíveis manchas e o tecido absorvente que “recheia” o fundo é grosso, mas macio. O maior problema está na hora da lavagem. Evite lavar no box por causa da grande quantidade de sangue que sai. Prefira o tanque. Na Internet, as mulheres também podem comprar até mesmo biquíni e maiô menstrual.

Para a ginecologista da Clínica Altacasa, cada mulher precisa encontrar a melhor opção para substituir o uso de absorventes internos ou os de plástico, se realmente não deseja mais utilizá-los. Para isso, procure saber quais as vantagens e desvantagens dos coletores e calcinhas menstruais, antes de comprá-los.

Coletor Menstrual

Vantagens:

* Preço: Mesmo que sejam mais caros inicialmente – custam entre R$70,00 e R$150,00, dependendo da marca – a longo prazo é mais econômico, já que elimina a necessidade da mulher comprar absorventes mensalmente. Pode durar até dez anos.

* Autonomia: Diferentemente dos absorventes, que devem ser trocados em intervalos de poucas horas, os coletores menstruais só precisam ser retirados, esvaziados e lavados aproximadamente a cada 12 horas – mas essa recomendação varia de acordo com o fabricante e de acordo com o fluxo menstrual.

* Conforto: Para muitas mulheres, que tem pouco fluxo menstrual, os coletores são particularmente úteis. Os absorventes tradicionais podem ressecar a vagina e irritar a virilha, causando desconforto. O copinho, não.

* Sustentabilidade: Como é reutilizável, o coletor acaba com a necessidade de embalagens plásticas, caixas e aplicadores. Além disso, não produz resíduo, nem mesmo plástico.

Desvantagens:

* Adaptação: Pode levar alguns meses para que a mulher se adapte a colocar e retirar o coletor, e deixe de sentir incômodo com o cabo de silicone que fica fora do canal vaginal.

* Tamanho: É preciso ficar atenta ao tamanho adequado. Há dois tamanhos e a escolha depende de fatores como altura do colo do útero e fluxo menstrual. Em alguns casos, também é necessário usar, além do coletor, um absorvente fino, para evitar vazamentos.

* Contato com o sangue: Para algumas usuárias, o uso do coletor é um desafio porque aumenta o contato e a visualização com o sangue menstrual. É preciso retirar e esvaziar o copo a cada 12 horas, afinal.

* Higienização: Como é preciso lavar o coletor depois de esvaziá-lo, é preciso ter acesso a um banheiro privado onde isso possa ser feito com privacidade. Já o absorvente comum pode ser descartado com mais facilidade.

Calcinha menstrual

Vantagens:

* Sustentabilidade e conforto: As mulheres que usam não costumam sentir diferença entre as calcinhas menstruais e as calcinhas tradicionais. A calcinha menstrual é reutilizável, possui tecido com bloqueador de odores e, ao contrário dos absorventes de plástico, tem alta capacidade de absorção.

* Durabilidade: Pode ser usada por aproximadamente dois anos. Se colocarmos na ponta do lápis, o valor que você gastaria em absorventes descartáveis nesse período é bem maior.

* Segurança : A calcinha menstrual possui diversas camadas, é super absorvente e não deixa vazar o sangue, se usado o modelo correto, já que há modelos diferentes para cada tipo de fluxo: leve, moderado e intenso.

* Antialérgicas : O tecidos da calcinha é hipoalergênico, ou seja, não é agressivo à pele.

* É recomendado que a usuária possua três modelos diferentes de calcinhas menstruais, optando por cada um de acordo com o dia do ciclo (menor ou mais fluxo) e o período de uso em determinado dia (se ficar mais tempo fora de casa, use uma de fluxo mais intenso).

Desvantagens:

* Qualidade do produto: Como ainda não existe uma fiscalização rígida no país em relação ao uso de materiais para confecção dessas calcinhas, muitas brasileiras ainda encontram calcinhas menstruais ruins no mercado, ao contrário do que ocorre em países como EUA e Alemanha, onde o uso já é comum.

* Tamanho: Muitas mulheres custam a achar o tamanho correto da calcinha menstrual, na compra pela Internet, já que elas precisam ficar bem ajustadas ao corpo mas nem tão apertadas a ponto de incomodar.

Leia mais: http://site.abcfarma.org.br/os-pros-e-contras-do-copinho-coletor-e-da-calcinha-menstrual/


Leia Também:

Anterior:

Próxima: