Homem e mulher os criou: Vaticano se pronuncia sobre ideologia de gênero na educação -


Segundo o ACI Digital (10/06/2019), o Vaticano se pronunciou sobre a ideologia de gênero na escola com um documento da Congregação para a Educação Católica intitulado: “Homem e mulher os criou. Para uma via de diálogo sobre a questão de gender na educação”.

O documento explica que “difunde-se cada vez mais a consciência de que estamos diante de uma verdadeira e própria emergência educativa, em particular no que concerne aos temas de afetividade e sexualidade”.

O Vaticano adverte que a “desorientação antropológica que caracteriza difusamente o clima cultural de nosso tempo, certamente contribuiu para desestruturar a família, com a tendência de cancelar as diferenças entre o homem e a mulher, consideradas como simples efeitos de um condicionamento histórico-cultural”.


Neste contexto, “a missão educativa enfrenta o desafio que surge de diversas formas de uma ideologia, genericamente chamada gender, que nega a diferença e a reciprocidade natural do homem e da mulher”.

Esta ideologia “apresenta uma sociedade sem diferenças de sexo e esvazia o fundamento antropológico da família. Esta ideologia leva a projetos educativos e diretrizes legislativas que promovem uma identidade pessoal e uma intimidade afetiva que estão radicalmente desvinculadas da diversidade biológica entre o homem e a mulher. A identidade humana vem determinada por uma opção individualista, que também muda com o tempo”.

Ao contrário, “a visão antropológica cristã vê na sexualidade um elemento básico da personalidade, um modo próprio de ser, de se manifestar, de se comunicar com os outros, de sentir, de expressar e de viver o amor humano”.

Por isso, “a Congregação para a Educação Católica, dentro de suas competências, tem a intenção de oferecer algumas reflexões que possam orientar e apoiar aqueles que estão comprometidos com a educação das novas gerações a abordar metodicamente as questões mais debatidas sobre a sexualidade humana, à luz da vocação ao amor a que cada pessoa é chamada”.

Desta forma, “se quer promover uma metodologia articulada nas três atitudes de ouvir, refletir e propor que favoreçam o encontro com as necessidades das pessoas e das comunidades”.

Ouvir

O documento propõe uma série de pontos de encontro, como “a educação de crianças e jovens para respeitar cada pessoa em sua condição particular e diferente, para que ninguém, devido às suas condições pessoais (deficiência, origem, religião, tendências afetivas, etc.) possa se tornar objeto de assédio, violência, insultos e discriminação injusta”.

“Outro ponto de crescimento na compreensão antropológica são os valores da feminilidade que foram destacados na reflexão de gender”.

No entanto, também propõe várias críticas, como o fato de que, especialmente as teorias mais radicais da ideologia de gênero indicam “um processo progressivo de desnaturalização ou distanciamento da natureza rumo a uma opção total para a decisão do sujeito emocional”.

“Com esta atitude, a identidade sexual e a família se convertem em dimensões da ‘liquidez’ e ‘fluidez’ pós-modernas: fundamentadas mais sobre uma mal entendida liberdade do sentir e do querer do que na verdade do ser; no desejo momentâneo do impulso emocional e na vontade individual”.

“Os pressupostos dessas teorias são atribuíveis a um dualismo antropológico: à separação entre corpo reduzido e matéria inerte e vontade que se torna absoluta, manipulando o corpo como lhe agrada”, assinala o documento.

Essa ideologia “induz projetos educacionais e pautas legislativas que promovem uma identidade pessoal e uma intimidade afetiva radicalmente livre da diferença biológica entre homens e mulheres”.

Refletir

No documento, apresentam uma série de “argumentos racionais que esclarecem a centralidade do corpo como um elemento integral da identidade pessoal e das relações familiares”.

Recorda que, “do ponto de vista genético, as células do homem (que contêm os cromossomos XY) são diferentes das mulheres (cujo equivalente é XX) desde a concepção”.

O processo de identificação da pessoa “se vê obstaculizado pela construção fictícia de um ‘gênero’ ou ‘terceiro gênero’. Desta maneira, a sexualidade se escurece como uma qualificação estruturante da identidade masculina e feminina. A tentativa de superar a diferença constitutiva do homem e da mulher, como acontece na intersexualidade ou no transgender, conduz a uma ambiguidade masculina e feminina, que pressupõe de maneira contraditória aquela diferença sexual que se pretende negar ou superar”.

Propor

Finalmente, o Vaticano aborda a introdução da ideologia de gênero na educação e assinala que, “sem uma explicação satisfatória da antropologia na qual se baseia o significado da sexualidade e da afetividade, não é possível estruturar adequadamente uma via educativa que seja coerente com a natureza do homem como pessoa, a fim de orientá-lo ao pleno desenvolvimento de sua identidade sexual no contexto da vocação ao dom de si mesmo”.

O primeiro passo para este esclarecimento antropológico consiste em “reconhecer que o homem também possuiu uma natureza que ele deve respeitar e que não pode manipular como lhe apetece”.

Explica que “a antropologia cristã tem suas raízes na narração das origens tal como aparece no livro de Gênesis, onde está escrito que ‘Deus criou o homem à sua imagem […] homem e mulher os criou’. Nestas palavras, há o núcleo não só da criação, mas também da relação vivificante entre o homem e a mulher, que os coloca em íntima união com Deus”.

Defende que “é necessário reafirmar a raiz metafísica da diferença sexual: de fato, o homem e a mulher são as duas formas nas quais se expressa e realiza a realidade ontológica da pessoa humana”.

“Esta é a resposta antropológica à negação da dualidade masculina e feminina a partir da qual a família é gerada. A rejeição dessa dualidade não apenas apaga a visão da criação, mas delineia uma pessoa abstrata que depois escolhe para si, autonomamente, uma ou outra coisa como sua natureza”.

Também se nega a “homens e mulheres a sua exigência criacional de ser formas da pessoa humana que se integram mutuamente. Ora, se não existe a dualidade de homem e mulher como dado da criação, então também não existe a família como realidade pré-estabelecida pela criação. Mas, neste caso, a prole também perdeu o lugar que até agora lhe correspondia e a dignidade particular que lhe é própria”.

Destaca que “a família é o lugar natural onde esta relação de reciprocidade e comunhão entre o homem e a mulher encontra o seu pleno desempenho”.

Enfatiza que na família “se fundamentam dois direitos fundamentais, que devem sempre ser respaldados e garantidos”.

“O primeiro é o direito da família a ser reconhecida como o principal espaço pedagógico primário para a formação da criança.”

O segundo direito “é o da criança crescer numa família, com um pai e uma mãe capazes de criar um ambiente ideal para o seu desenvolvimento e maturidade afetiva. Continuar amadurecendo em relação, em confrontação, com o que é a masculinidade e feminilidade de um pai e uma mãe, e assim armando a sua maturidade afetiva”.

O documento do Vaticano explica que “a ação educativa da família se une à da escola, que interage de maneira subsidiária”.

“A escola católica deve se tornar uma comunidade educativa na qual a pessoa se expresse e cresça humanamente em um processo de relacionamento dialógico, interagindo construtivamente, exercendo a tolerância, compreendendo diferentes pontos de vista e criando confiança em um ambiente de autêntica harmonia”.

“A educação na afetividade precisa de uma linguagem adequada e moderada. Em primeiro lugar, deve levar em consideração que as crianças e os jovens ainda não atingiram a plena maturidade e começam a descobrir a vida com interesse. Portanto, é necessário ajudar os estudantes a desenvolverem um senso crítico diante de uma invasão de propostas, diante da pornografia descontrolada e da sobrecarga de estímulos que podem mutilar a sexualidade”.

Por estas razões, “não se pode deixar a família sozinha diante do desafio educativo. Por sua vez, a Igreja continua oferecendo apoio às famílias e aos jovens nas comunidades abertas e acolhedoras”.

Fonte: https://www.acidigital.com/noticias/homem-e-mulher-os-criou-vaticano-se-pronuncia-sobre-ideologia-de-genero-na-educacao-86693

Leia mais: https://cleofas.com.br/homem-e-mulher-os-criou-vaticano-se-pronuncia-sobre-ideologia-de-genero-na-educacao/


Leia Também:

Anterior:

Próxima: