Aplique Bem: Comitivas internacionais demonstram interesse por projeto da UPL e do IAC na Agrishow -


O programa Aplique Bem, parceria da UPL com o Instituto Agronômico de Campinas (IAC) ficou no centro das atenções de comitivas internacionais durante a Agrishow, no último dia 30 de abril. A ação ficou exposta no estande da Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo e também teve a visita do chefe da pasta, Gustavo Diniz Junqueira.

Ao todo, o programa foi apresentado a representantes da Arábia Saudita, da Nigéria, da Austrália, da África do Sul, dos Emirados Árabes Unidos, da Irlanda e da Irlanda do Norte. Eles demonstraram interesse em levar a iniciativa aos seus países de origem e têm interesses em futuras parcerias para viabilização dos projetos internacionalmente.

“Estamos abertos para negócios. É interesse do Estado exportar não apenas produtos, mas também ações”, ressaltou Junqueira. Ele disse que o governador João Doria prima por um mercado livre. “Para estar apta a oferecer as tecnologias, a pasta investe muito em agricultura de precisão e faz de nossas fazendas verdadeiros laboratórios a céu aberto.”


APLIQUE BEM

Líder global da cadeia de produção de alimentos, a UPL já treinou 65 mil agricultores de todo o Brasil em 3.140 eventos do Aplique Bem, programa que existe há 12 anos para auxiliar produtores no desenvolvimento de boas práticas agrícolas. A iniciativa conta com instrutores altamente qualificados para demonstrações da aplicação correta de agroquímicos com o uso correto dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI).

“Até o final de 2019, serão cinco Tech Móveis, sendo quatro rodando o Brasil para dar treinamento e avaliação dos pulverizadores e um destinado ao circuito das frutas, no interior do Estado de São Paulo”, informa Claudia Barreto, gerente de Stewardship Brasil da UPL. O tech móvel é o equipamento utilizado durante os eventos do Aplique Bem em todo o país.

O Aplique Bem tem como principal objetivo promover a segurança ambiental, alimentar e humana, segundo o pesquisador científico Hamilton Ramos, do IAC. Trata-se de uma prestação de serviços sem custo para o agricultor, para melhor uso da tecnologia disponível e uso racional dos defensivos agrícolas, contribuindo para a produção de alimentos seguros e de qualidade, otimizando a produção e diminuindo gastos, além de proporcionar maior segurança para quem aplica e reduzir impactos ao meio ambiente.


Leia Também:

Anterior:

Próxima: