Nota pública sobre a censura à Crusoé -


Fomos surpreendidos na manhã desta segunda-feira, 15 de abril de 2019, pela decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, de censurar a reportagem “O amigo do amigo de meu pai”, publicada na sexta-feira passada pela revista Crusoé.

A reportagem revela, com base em documento da Lava Jato reproduzido pela revista, que Marcelo Odebrecht, ao utilizar o codinome em mensagem a executivos da sua empreiteira, disse à Força Tarefa da operação que se referia a Antonio Dias Toffoli, na época Advogado Geral da União e hoje presidente do Supremo Tribunal Federal.

Além de censurar a revista, o ministro Alexandre de Moraes determinou que a Polícia Federal tomasse depoimentos dos jornalistas.


Nossos advogados entrarão com recurso ao colegiado do STF, para tentar reverter esse atentado contra a liberdade de imprensa, aspecto fundamental da democracia garantido pela Constituição. Na nossa visão, trata-se de ato de intimidação judicial. A liberdade de imprensa só se enfraquece quando não a usamos. Continuaremos a lutar por ela.

Mario Sabino
Publisher da Crusoé

URGENTE: MINISTRO DO STF CENSURA CRUSOÉ

MOURÃO: “ISSO VAI ALÉM DA CENSURA”

Glenn Greenwald condena censura à Crusoé

“Se o ministro não está envolvido, por que a censura? Ao silenciar o mensageiro, Toffoli piora a situação”

 

Estadão e O Globo repercutem censura à Crusoé

 

Lasier: “Estamos diante de uma nova ditadura no Brasil”

  

Kajuru: “Amanhã poderá ser um de nós”

 

Joice: “Em nenhum momento, pode conceber a ideia de flertar com a censura”

 

Reguffe: “Não cabe censura neste país, não cabe ao STF agir com corporativismo”

 

Randolfe: “Isso é abuso de autoridade de quem deveria proteger a Constituição”

Major Olímpio: “Será que eles também não podem censurar comentário de senador?”


Leia Também:

Anterior:

Próxima: