DEPOIS DA RÚSSIA, BÉLGICA E CHINA, ARGENTINA FAZ MAIS UM ACORDO COM A ÍNDIA PARA DESENVOLVER SEU PROGRAMA NUCLEAR -


21. fev, 2019

WWWA Argentina está se movendo bastante para desenvolver o seu programa nuclear. Esta semana, Índia e Argentina assinaram um Memorando de Entendimento para   cooperação no setor de energia nuclear. O documento foi construído depois de algumas reuniões entre especialistas do Centro Global de Parceria para Energia Nuclear da Índia e da Comissão Nacional de Energia Atômica da Argentina,  durante a visita do presidente argentino Mauricio Macri a Delhi. Os dois países já tinham assinado  um Acordo de Cooperação para Uso Pacífico de Energia Nuclear em 2010. Esse acordo levou ao progresso da cooperação no projeto Fission Molly, a planta de molibdênio que está sendo construída em Mumbai pela empresa argentina INVAP, com meta de conclusão para 2020.

De acordo com um comunicado conjunto  emitido pelo Ministério das Relações Exteriores da Índia, eles esperam “aprimorar e explorar empreendimentos cooperativos em energia nuclear civil, além  outras utilizações da energia nuclear nos setores da saúde, agricultura e para aplicações industriais e formação de profissionais”. Os dois países  expressaram satisfação com o apoio às respectivas candidaturas em várias organizações multilaterais. Nesse contexto, a Índia manifestou gratidão pelo apoio da Argentina à adesão da Índia aos vários regimes de não proliferação, incluindo o Regime de Controle do Tratado de Mísseis, o Acordo de Wassenaar e a Austrália.


Em dezembro, Argentina e Rússia anunciaram seu plano de ampliar a cooperação no uso pacífico da energia nuclear após a assinatura de um documento estratégico à XXXXmargem da cúpula do G20 em Buenos Aires. O documento foi assinado em 1º de dezembro por Alexey Likhachov, diretor-geral da empresa nuclear estatal russa Rosatom, e pelo ministro da Energia da Argentina, Javier Iguacel(foto a direita). De acordo com o documento, os dois países também considerarão a operação conjunta de uma frota de usinas nucleares flutuantes projetadas por russos. Foi também assinado um roteiro de cooperação sobre a implementação de projetos específicos de energia nuclear russo-argentina.

Em outubro, a Rússia e a Índia anunciaram que concordaram em trabalhar juntas para aumentar o nível de localização da Índia em um projeto para construir seis unidades nucleares em um novo local na Índia. O Plano de Ação para Priorização e Implementação de Áreas de Cooperação no Campo Nuclear foi assinado em paralelo à 19ª Cúpula Bilateral Índia-Rússia, em Nova Delhi. De acordo com o documento, XCZZassinado por Alexey Likhachov(foto a esquerda), chefe da empresa estatal russa Rosatom, e por Kamlesh Vyas, presidente do Departamento de Energia Atômica da Índia, o projeto de nova construção fará referência às soluções técnicas de geração 3+ evolutivas da VVER com maior envolvimento  da Indústria indiana.

Em junho do ano passado, a Nucleoeléctrica Argentina (NA-SA) assinou um Memorando de Entendimento com o Centro de Pesquisa Nuclear da Bélgica  visando estender a cooperação em segurança nuclear entre as duas organizações que existe há mais de 15 anos. O acordo define a estrutura para cooperação em questões relacionadas a programas de inspeção para o aço e componentes internos de vasos de pressão do reator; envelhecimento e degradação de materiais; operação a longo prazo de usinas nucleares; gestão e eliminação de resíduos; e treinamento e educação. Vale lembrar também que  em maio de 2017, a China anunciou que vai abastecer a Argentina com dois reatores nucleares – um reator pressurizado de água pesada de Candu, o outro um reator de água pressurizada Hualong One.

Leia mais: https://petronoticias.com.br/archives/125446


Leia Também:

Anterior:

Próxima: