BRASIL PODERÁ TER EM BREVE VEÍCULOS HÍBRIDOS MOVIDOS COM ETANOL HIDRATADO E ELETRICIDADE -


21. fev, 2019

AAO Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque encerrou nesta quinta-feira(21)  o seminário “O Futuro da Matriz Veicular no Brasil”, realizado no Rio de Janeiro, promovido pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O encontro teve início ontem (20/2) e reuniu especialistas para discutir a convivência entre os biocombustíveis e a eletricidade como fontes de energia para os veículos brasileiros. Ele disse que o Brasil  poderá contar com o modelo de veículo híbrido flex, utilizando etanol hidratado:  “Teremos em circulação o meio automotivo mais limpo no mundo, pois ele emite um terço das descargas de CO2 do veículo elétrico europeu. Algumas outras iniciativas, como o Renovabio, tem por objetivo oferecer uma matriz nacional de combustíveis mais limpa, por meio do aumento da participação dos biocombustíveis, proporcionando previsibilidade ao mercado e orientando investimentos em expansão da produção”.

Bento Albuquer que lembrou que a safra 2018/19 foi 13% superior à safra anterior, e que o etanol hidratado teve participação recorde na matriz ao suprir 51% da demanda de combustíveis para veículos leves. O ministro afirmou  que vem buscando a implementação de medidas e providências focadas na realidade do País, e que “nesse contexto de transição tecnológica, temos a convicção de que é fundamental induzir uma resposta adequada dos agentes econômicos,DSDSprocurando beneficiar o consumidor com a garantia do abastecimento e com a oferta de combustíveis mais baratos”.


No evento foi abordado o futuro da matriz veicular no mundo, as macrotendências de mobilidade, o impacto da eletrificação veicular na matriz já existente no país, bem como os desafios à eletromobilidade no Brasil. No segundo dia, o tema das discussões foi o melhor caminho para o país em relação aos biocombustíveis e aos veículos elétricos e também o que é preciso definir em termos de políticas de governo e sob a ótica regulatória.

Leia mais: https://petronoticias.com.br/archives/125538


Leia Também:

Anterior:

Próxima: