Depressão pós-parto atinge quase 20% das mulheres no Brasil -


A depressão pós-parto é um episódio depressivo de intensidade grave a moderada; costuma ocorrer durante os primeiros meses após o nascimento do bebê. Além da propensão genética, explicação para 38% dos casos, os principais fatores são as quedas abruptas hormonais no pós-parto

Estudos demonstraram prevalência aproximada de 20% para a depressão pós-parto. Segundo o professor de psiquiatria da USP, Joel Rennó Junior, outros trabalhos indicam ainda maior prevalência em populações específicas, como adolescentes.

“Cerca de 60% das mulheres com depressão pós-parto já apresenta indícios na gestação, sem ser diagnosticada e devidamente tratada, informa Joel.
“Cesareanas de emergência, estresse no cuidado com o filho, sintomas de ansiedade no pré-natal, suporte social inadequado e diabetes, também estão significativamente associados a esse quadro”.

Quem enfrenta depressão pós-parto apresenta maior risco de ter descontinuação na amamentação, conflitos familiares e negligências em relação às necessidades físicas e psíquicas do filho. Isso pode acarretar danos em uma série de questões relevantes para o desenvolvimento psicológico, social e de linguagem do bebê.


A doença também pode dificultar a interpretação adequada da mãe aos comportamentos da criança, favorecendo para que esta, ao longo do tempo, torne-se isolada ou inquieta. Ou que manifeste distúrbios alimentares ou do sono ou ainda corra maior risco para contrair doenças psiquiátricas.

O tratamento varia de acordo com o nível da gravidade. “Em quadros leves, muitas vezes a terapia interpessoal ou a psicoterapia comportamental e cognitiva acabam sendo as primeiras escolhas. Agora, em quadros moderados a graves, há necessidade do uso de antidepressivos, que só o psiquiatra pode indicar”, aponta Joel.

Mudanças ao redor da mulher no ambiente de convívio social e familiar ajudam no gerenciamento do nível de estresse. Afinal, muitas mães que acabaram de dar à luz podem ter vários “gatilhos estressores” em razão da privação do sono, agitação do bebê ou dificuldades na amamentação.

A depressão pós-parto pode atingir até 15% dos pais de recém-nascidos. Mas, no caso dos homens, não há uma correlação com fatores hormonais e sim com mudanças que ocorrem na dinâmica do casal, como o sentimento de exclusão e pela própria influência da depressão pós-parto da mulher.

O período logo após o nascimento do bebê é uma fase de muitas alterações e adaptações para os casais. “Essa escalada de eventos por uma depressão pós-parto não tratada exacerba o sofrimento de ambos”, conta Joel. Em razão disso, o ideal é sempre buscar acompanhamento profissional para as orientações necessárias.

Fonte: Acontece Comunicação e Notícias


Leia Também:

Anterior:

Próxima: