AGÊNCIA DE ANÁLISE FINANCEIRA ACUSA A CHINA DE EMPURRAR TECNOLOGIA SUPERADA DO CARVÃO PARA GERAR ENERGIA EM OUTROS PAÍSES -


22. jan, 2019

dsdsEnquanto instituições financeiras em todo o mundo estão se distanciando do carvão para limitar sua exposição ao risco de ter ativos encalhados, um novo relatório do Instituto para Análise Econômica e Financeira em Energia (IEEFA) concluiu que a China, uma liderança global em energia renovável, continua injetando recursos em projetos de energia fóssil, especialmente carvão, fora de suas fronteiras. De acordo com o estudo, mais de 1/4 dos projetos de geração de energia a base de carvão fora da China contam com financiamento de bancos e companhias do país. Em julho de 2018, instituições chinesas tinham proposto ou investido cerca de US$ 35,9 bilhões em projetos desse tipo em 27 países, incluindo investimentos em minas de carvão para exportação, usinas a carvão, e infraestrutura ferroviária e portuária associada, totalizando 102 GW, sendo que 75% dessa capacidade ainda se encontra em fase de pré-construção.

Os principais recipientes de investimentos chineses em energia suja, em termos de capacidade proposta, são Bangladesh, Vietnã, África do Sul, Paquistão e Indonésia. O Brasil figura entre os países que possuem projetos energéticos de carvão com proposta de financiamento chinês. O relatório aponta, mas não há nenhuma evidência que o Brasil vá investir em usinas a base de carvão mineral. Segundo o relatório, quase US$ 1 bilhão estão propostos para projetos que deverão resultar na geração de 940 MW de energia a base de fonte suja.


Segundo Melissa Brown(foto ao alto), consultora do IEEFA e uma das autoras do relatório, o financiamento de projetos de carvão deixa a China e os países recipientes de seus investimentos cada vez mais expostos a resultados econômicos negativos, já que a tendência global para esse tipo de geração de energia tem sido negativa: “As projeções mais conservadoras da Agência Internacional de Energia (IEA) apontam para o declínio do comércio global de carvão nos próximos anos, e isso tem um bom motivo: os preços internacionais da energia de carvão seguem instáveis, o que deixa os países produtores desse tipo de energia presos a uma infraestrutura custosa. Em contraste, as energias renováveis estão se beneficiando de grandes melhorias tecnológicas e têm um impacto deflacionário nos preços da energia”. Melissa Brown, é ex-analista de valores mobiliários do JP Morgan e do Citigroup, desempenhou um papel de liderança em várias organizações de investimento asiáticas focadas em estratégias de investimento sustentáveis para investidores públicos e privados nos últimos 25 anos.dsdss

O financiamento chinês para o carvão pode condenar os países recipientes a uma infraestrutura custosa e de altíssimo impacto em emissões de carbono exatamente no momento em que os custos da energia solar e eólica estão caindo e se tornando mais baratos que os do carvão.  Para Christine Shearer(foto à direita), outra co-autora do relatório, os países que ainda não assinaram esses acordos com a China “precisam entender as mudanças no mercado global de energia antes de tomar uma péssima decisão. Está na hora da China formalmente limitar seus investimentos em usinas termelétricas a carvão no exterior e passar a promover a adoção de energia renovável mais barata e de tecnologias de grid. Isso vem sendo feito dentro da China. Será que os outros países não merecem ter a mesma oportunidade?”

Leia mais: https://petronoticias.com.br/archives/123797


Leia Também:

Anterior:

Próxima: