LIGHT CRIA SISTEMA QUE TRAZ ECONOMIA DE ESPAÇO E CUSTOS EM SUBESTAÇÕES DA EMPRESA


08. jan, 2019

DSSSSA Light está desenvolvendo um projeto para Identificar vazamentos de óleo de transformadores a um custo reduzido e com o uso de menos espaço nas subestações de energia elétrica. Estes são os objetivos de produto estratégico da Light que cria sistema compacto capaz de bloquear a passagem do óleo de equipamentos para a rede de drenagem. A fase de inserção do produto no mercado, cujo primeiro passo foi dado no fim de novembro, é desenvolvida pela Light, em parceria com o Centro de Gestão de Tecnologia e Inovação – CGTI, Jordão Engenharia e EDF Norte Fluminense.

Segundo José Tenório Barreto Junior, coordenador de Pesquisa de Inovação da concessionária, a Light é a idealizadora do sistema, a ser implantado de forma pioneira no Brasil. Atualmente, a Light possui a caixa instalada nas subestações Barra, Jardim Botânico e Democráticos. Estão sendo instaladas duas novas caixas nas subestações Leme e Mackenzie, que serão colocadas em operação em 2019. A economia quando da utilização do equipamento vai variar conforme a sua aplicação. Nas subestações novas, a economia na instalação é estimada em R$ 60.000,00. Já naquelas em operação, o ganho é ainda superior, devido à dificuldade de realizar escavações maiores nesses locais.


Com investimento total de R$ 3,5 milhões  sendo R$ 200 mil de recursos do P&D da Light, o novo sistema tem prazo para conclusão da etapa de inserção de mercado de 18 meses, devendo ser concluído em maio de 2020.Thiago Pires Viula,  coordenador de Projetos e Construção de Alta Tensão da Light, explica o objetivo do equipamento e como reverterá em benefícios para o setor elétrico: “Nesta fase do projeto, o objetivo principal é viabilizar a inserção da caixa separadora de óleo e água no mercado brasileiro e atingir as expectativas de comercialização do produto no setor elétrico. Será realizada uma readequação visual do equipamento de forma a atender um design mais adequado às estratégias de marketing. Um molde será adquirido e disponibilizado em forma de comodato, por força de contrato de licenciamento, a um fornecedor selecionado, provendo, assim, o apoio industrial e comercial para a expansão do negócio e materialização dos resultados de vendas”.

Leia mais: https://petronoticias.com.br/archives/123009


Leia Também:

Anterior:

Próxima: