Atirador de sinagoga nos EUA diz que judeus estavam cometendo genocídio -


Bowers é acusado por 11 homicídios doloso, seis de agressão grave e 13 acusações de intimidação étnica

Por Estadão Conteúdo

access_time 28 out 2018, 10h58

Pittsburgh – A polícia afirmou neste domingo que o suspeito no tiroteio em massa na sinagoga de Pittsburgh, nos EUA, no sábado, disse que os judeus estavam cometendo genocídio e que ele queria que “todos eles morressem”.

A polícia de Pittsburgh disse em um depoimento de prisão divulgado hoje que Robert Gregory Bowers matou oito homens e três mulheres na sinagoga Árvore da Vida antes de uma equipe de polícias tática rastreá-lo e atirar nele.

Um policial de Pittsburgh disse que Bowers estava sendo tratado por seus ferimentos quando ele disse que os judeus estavam “cometendo genocídio com seu povo”.

Bowers é acusado por 11 homicídios doloso, seis de agressão grave e 13 acusações de intimidação étnica.

A polícia afirmou que as chamadas começaram a chegar ao 911, pouco antes das 10h de sábado, relatando que “eles estavam sendo atacados”.

Leia mais: https://exame.abril.com.br/mundo/atirador-de-sinagoga-nos-eua-diz-que-judeus-estavam-cometendo-genocidio/


Leia Também:

Anterior:

Próxima: