Sob pretexto de eliminar ódio e falsas notícias, a esquerda criou um aparato poderoso de rotulagem e censura -


Imagem: Divulgação | Conexão Política

Sob décadas de influência da esquerda tucano-petista o brasileiro foi anestesiado e convencido a chamar o PSDB de direita – ou até de direita neo liberal entreguista (Misericórdia!), a fim de dar verniz de disputa ao embate entre tucanos e petistas-e-seus-tentáculos.

Qualquer coisa que fugisse do espectro que vai do PSDB ao PCO, ficou acordado como sendo “extrema-direita. Éneas pagou boa parte dessa conta. Com a estratégia, retirou-se do jogo quem não tá fechado com a agenda dos companheiros.

O brasileiro NÃO FAZIA IDEIA, até pouco tempo, do que poderia ser esse tal conservadorismo —também ignorava o fato de não saber disso. Tava na bolha e acreditava que a “esquerda pra valer tucana” era o mais próximo que tínhamos de Reagan. Crendeuspai.


Os tempos são outros, a bolha estourou, e o brasileiro começou a se informar sobre política e estudar sobre o assunto por conta própria. E é aí que mora o perigo – para a esquerda, claro.

Para se proteger, o tudo-o-que-está-aí adotou rótulos e mecanismos de controle como taxar pessoas e propostas que não sejam de esquerda, como “extrema direita”, mudou-se também o nome da liberdade de expressão para “discurso de ódio” e notícias e fontes independentes, sobretudo, contrárias à agenda da esquerda, para “fake news”, desencadeando uma rápida implementação nas redes sociais e nos grandes veículos de imprensa do mecanismo de “checagem de fatos”, este último nome bonitinho, mero rebatismo da velha censura.

  Próximo post

Existe ou não uma bolha imobiliária em Portugal? Comentando artigo de Márcio Fenelon

Mais aqui: https://conexaopolitica.com.br/artigo/sob-pretexto-de-eliminar-odio-e-falsas-noticias-a-esquerda-criou-um-aparato-poderoso-de-rotulagem-e-censura/


Leia Também:

Anterior:

Próxima: