Atenção urgente para UPAs -


Artigo: Presidente da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS),
Alfredo Floro Cantalice Neto

Uma das medidas mais importantes para a diminuição da superlotação de
emergências em hospitais é o investimento em unidades de pronto atendimento
e o que vemos, no Rio Grande do Sul, é um cenário preocupante em relação a
isso. O momento para que possamos cobrar medidas urgentes é agora, e não
quando as temperaturas baixarem e, por características históricas do clima,
aumentarem significativamente o número de internações por doenças
respiratórias. O que muda em relação a anos anteriores é que as estruturas,
antes, não existiam e, agora, foram criadas, mas não funcionam! Segundo
dados recentes, veiculados na mídia, são nove unidades de pronto atendimento
(UPAs) que deveriam estar abertas e permanecem com as portas fechadas no Rio
Grande do Sul.

O problema afeta cidades como Três Passos, Frederico Westphalen, São Borja,
Santo Ângelo, Ijuí, Guaíba, Panambi, Santa Vitória do Palmar, Carazinho,
Farroupilha, Alvorada, Esteio, Cachoeirinha, Osório e Taquara. Nesses
locais, as obras estão paradas ou acabadas e sem uso.


De acordo com dados do próprio Governo Federal nas localidades que contam
com UPA, 97% dos casos são solucionados na própria unidade. Quando o usuário
chega às unidades, os médicos prestam socorro, controlam o problema e
detalham o diagnóstico. Eles analisam se é necessário encaminhar a um
hospital ou mantê-lo em observação por 24 horas. Diante disso não há como
exigir que o assunto não seja dado como prioridade. É preciso diálogo e
união entre as partes, sejam no âmbito federal, estadual e municipal.

A AMRIGS, como entidade representativa, tem a missão de seguir lutando por
ações em prol da saúde e, essa, é uma das bandeiras que defenderemos para o
bem da sociedade.

=> Presidente da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS), Alfredo
Floro Cantalice Neto


Leia Também:

Anterior:

Próxima: