Safra mundial de café deve avançar 1,2% no ciclo 2017/18 -


café

Leia também:

A produção mundial de café prevista para a safra 2017/18 está estimada em 159,66 milhões de sacas de 60kg, volume que representa um crescimento próximo de 1,2% em relação à safra anterior. Essa performance positiva é atribuída diretamente ao aumento de 12,1% verificado na produção do café robusta, o qual compensou de certa forma uma ligeira redução de 4,6% ocorrida no volume produzido do café arábica, na comparação com o período anterior. Os volumes de produção de café arábica e robusta foram estimados, respectivamente, em torno de 97,43 milhões e 62,23 milhões de sacas neste ano-safra 2017-2018 objeto desta análise.

Com essa produção estima-se que no ano cafeeiro 2017/18 deverá haver um pequeno superávit de 778 mil sacas da produção em relação ao consumo, o qual será de 158,88 milhões de sacas. O ano cafeeiro 2016/17 também apresentou superávit de 312 mil sacas; no entanto, os dois anos-safra anteriores (2014/15 e 2015/16) registraram déficits de aproximadamente 2,65 milhões de sacas e 3,65 milhões de sacas, respectivamente. Assim, considerando os últimos quatro anos-safra é possível estimar que o consumo foi superior à produção em 5,21 milhões de sacas nesse período.


Esses números de produção e consumo em nível mundial constam do Relatório sobre o mercado de Café – março 2018, da Organização Internacional do Café – OIC, o qual está disponível no Observatório do Café do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café. Para a Organização, o ano cafeeiro corresponde ao período de outubro a setembro.

De acordo com a Organização, o ranking dos sete países com maior volume de produção no mundo, no ano-safra 2017/18, foram: Brasil, com 51 milhões de sacas, responsável por volta de 31,9%; Vietnã, com 29,5 milhões de sacas, corresponde a 18,5%; Colômbia, 14 milhões de sacas (8,8%); Indonésia, 12 milhões de sacas (7,5%); Honduras, 8,35 milhões de sacas (5,2%); Etiópia, 7,65 milhões de sacas (4,8%); Índia, 5,84 milhões de sacas (3,7%); Uganda, 5,1 milhões de sacas (3,2%); Peru, 4,3 milhões de sacas (2,7%); e México, produziu 4 milhões de sacas, que representam 2,5% da safra mundial. Os volumes de produção desses países estão publicados no site da OIC, o qual demonstra também que os demais países produziram 17,92 milhões de sacas, totalizando em torno de 160 milhões de sacas produzidas no mundo.

Com relação à exportação, o Relatório sobre o mercado de Café – março 2018 indica que o volume exportado total em nível mundial, nos cinco primeiros meses deste ano cafeeiro (outubro de 2017 a fevereiro de 2018), totalizou 50,98 milhões de sacas, que representam aumento de 3,2% em comparação com o período anterior (2016-2017), cujo volume foi de 49,41 milhões de sacas. Esses e outros números do setor cafeeiro podem também ser conferidos no Relatório da OIC, que contém dados de produção, exportação, consumo, preços indicativos diários dos grupos da Organização: Arábicas (Colombian Milds, Other Milds e Brazilian Naturals) e Robustas, assim como, arbitragem entre as bolsas de Nova York e Londres, volatilidade da média dos indicativos de preços, diferenciais de preços, volume e valor das exportações mundiais de café, equilíbrio da oferta/demanda mundial, total das exportações, entre outros dados de interesse do setor.

Leia mais: https://www.infomoney.com.br//mercados/agro/noticia/7391743/safra-mundial-cafe-deve-avancar-ciclo-2017


Leia Também:

Anterior:

Próxima: