12 milhões de pessoas ainda não declararam o IR -


Por Dora Ramos*

Faltando uma semana para terminar o prazo, 12,9 milhões de contribuintes
ainda não fizeram a declaração do Imposto de Renda 2018. A tarefa deve ser
feita pelos contribuintes que, no ano passado, receberam rendimentos
tributáveis acima de R$ 28.559,70.

Os contribuintes que não entregarem a declaração ou desrespeitarem o prazo
deverão pagar uma multa de, no mínimo, R$ 165,74. Já o valor máximo
corresponderá a 20% do imposto devido. Por isso, é muito importante se
organizar e não deixar a tarefa para a última hora, para evitar que sejam
enviadas informações erradas e incompletas.


Uma das mudanças na declaração deste ano é que serão exigidos os CPFs dos
dependentes com oito anos ou mais – no ano passado, o documento era
obrigatório para crianças a partir de 12 anos. Em 2019, ele será exigido de
todos os dependentes, de qualquer idade.

Outra novidade de 2018 é que a Receita irá solicitar alguns dados
complementares aos contribuintes, como endereço, matrícula, IPTU e data de
compra de imóveis. No entanto, as informações não serão obrigatórias.

A declaração pode ser feita via computador ou dispositivos móveis, por meio
do aplicativo “Meu imposto de renda”. Nos smartphones e tablets, será
possível retificar as declarações, contanto que também tenham sido enviadas
pelos dispositivos. Para quem vai declarar pela primeira vez, o site do
órgão reúne instruções baseadas nas dúvidas mais comuns da população.

Uma informação que poucos conhecem diz respeito ao arredondamento: para mais
ou para menos, a prática é perigosa e pode ser interpretada como tentativa
de burlar o sistema de coleta de dados, pois os computadores da Receita
Federal são extremamente precisos. Outro problema recorrente é a falta de
comprovantes, seja em declarações de empresas ou de pessoas físicas.

Por conta disso, é fundamental que haja muita atenção com a documentação
necessária: o dono de empresa deve observar as informações contidas no CNPJ
do estabelecimento e em seu CPF para que eles não conflitem; afinal, esses
dados estão atrelados e qualquer desencontro pode ser comprometedor. A
pessoa física, por sua vez, não deve pecar pelo “excesso”, já que não é
incomum encontrarmos a inclusão de filhos como dependentes nas declarações
tanto do pai quanto da mãe. Isso gera duplicidade de informações, o que
também é identificado pela “malha fina”.

Ficar atento a essas medidas é fundamental para que evitar erros e garantir
a veracidade das informações. Portanto, declarantes, organizem a
documentação, baixem o aplicativo e fiquem de olho: 30 de abril é o último
dia para evitar a multa imposta pela Receita Federal.

*Dora Ramos é especialista em Contabilidade, orientadora financeira e
diretora responsável pela Fharos Gestão Empresarial (www.fharos.com.br).


Leia Também:

Anterior:

Próxima: