Nota – Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) -


Geap Saúde

A Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS) considerou ofensiva e
inapropriada a manifestação do novo diretor executivo da Geap Saúde. Em
entrevista para imprensa, Roberto Sérgio Fontenele Candido disse que os
médicos “roubam” os planos de saúde através de superfaturamento de preços de
serviços e de procedimentos. A acusação é grave, pois acusa os milhares de
médicos de todo o país de exercerem a profissão sob condutas ilícitas.

Para qualificar o atendimento médico no país é preciso responsabilidade e
seriedade no trabalho. A AMRIGS, como entidade associativa médica, prega
total transparência e correção em qualquer atividade profissional. Acusar,
no entanto, sem a devida comprovação, é um crime contra toda a categoria
médica que cumpre com excelência o seu papel na sociedade brasileira, mesmo
diante de condições extremamente difíceis. O país enfrenta uma grave crise
na saúde dedicando recursos escassos para o setor e condições de trabalho
inadequadas para prática do exercício profissional. Mesmo assim, médicos se
esmeram para superar todas as dificuldades.


Além disso, todos são sabedores da difícil situação financeira que a Geap
vive precisando de R$ 130 milhões até junho sob risco de entrar em
liquidação judicial pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Não
nos parece que os médicos são os responsáveis pela sua incompetência de
gestão, tendo em vista que o trabalho médico representa menos de 8% dos
custos das operadoras de saúde. Atitudes como esta, infelizmente, não ajudam
em nada. Pelo contrário, prejudicam ainda mais a Geap ao difamar a categoria
médica brasileira.

Presidente da Associação Médica do Rio Grande do Sul (AMRIGS)

Alfredo Floro Cantalice Neto


Leia Também:

Anterior:

Próxima: