Como a tensão comercial entre EUA e China pode dar novo fôlego à soja brasileira -


trump

(Shutterstock)

Leia também:

A tensão comercial entre Estados Unidos e China pode favorecer o agronegócio brasileiro. A opinião é de Rodrigo Lima, da Agroicone, think tank especializada no agronegócio.


Disputa comercial entre China e EUA pode favorecer comércio brasileiro de soja

Recentemente, a administração de Donald Trump baixou tarifas de importação sobre o aço e o alumínio, medida que ameaça desencadear uma guerra comercial em nível global, já que a China pode contragolpear, fazendo o mesmo com produtos agrícolas dos EUA, em especial a soja.

Segundo Lima, uma escalada protecionista entre as duas potências pode fazer com que os chineses, por exemplo, deixem de comprar parte da soja que hoje importam dos EUA.

Este cenário, disse o especialista, na última sexta-feira (16), em evento na capital paulista, abriria uma janela de oportunidades para que o Brasil vendesse mais soja para a China.

O mesmo raciocínio, ressaltou Lima, vale para o México e o Canadá, países membros do tratado de livre comércio da América do Norte, o Nafta, que vive uma tensão constante desde que Trump assumiu. Segundo o especialista, caso as relações comerciais entre EUA e seus vizinhos da América do Norte se acirrem, o Brasil pode pleitear abocanhar fatias dos mercados mexicanos e canadenses de milho, café e suco de laranja.

Leia mais: https://www.infomoney.com.br//mercados/agro/noticia/7337361/como-tensao-comercial-entre-eua-china-pode-dar-novo-folego


Leia Também:

Anterior:

Próxima: