Ampliar o número de “bons pagadores” no país é benéfico para lojistas e consumidores

A intenção do governo federal de reduzir os juros do cartão de crédito e facilitar o acesso do consumidor ao crédito em 2017 foi bem recebida pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul – FCDL-RS. O presidente da entidade representativa do varejo gaúcho, Vitor Augusto Koch, destaca entre as medidas que o governo prometeu implementar, o aumento do número de consumidores no cadastro positivo, definindo quem são os “bons pagadores”. O instrumento possibilita que os lojistas possam conceder crédito diferenciado.

Comércio– O cadastro positivo é importante para consumidores e lojistas, já que viabiliza a análise da concessão de crédito aos clientes que buscam parcelar suas compras. Os crediaristas das lojas levam em conta o histórico de pagamentos realizados pelo consumidor e avaliam como é a sua relação com o pagamento de dívidas. Em países onde o cadastro positivo está presente há mais tempo, os benefícios aos consumidores vão desde a adequação de taxas de juros até prazos maiores de pagamento – ressalta Vitor Augusto Koch.

O dirigente lembra que a ideia do governo de viabilizar o acesso automático ao cadastro positivo é importante, representando um ganho substancial na hora de avaliar o perfil do consumidor. Atualmente, o próprio consumidor é que declara estar disposto a colocar suas informações bancárias no cadastro. O sistema coleta dados dos consumidores referentes à pontualidade e cumprimento dos seus compromissos financeiros. A partir disso, é possível realizar uma avaliação dos bons consumidores, o que permite a movimentação da economia, redução das taxas de juros, aprovação de crédito facilitada e melhores prazos, tanto em compras quanto em empréstimos.

Vitor Augusto Koch defende, ainda, a redução dos juros do cartão de crédito, que se encontram entre os mais altos do mercado, na casa dos 460%, em novembro. O presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul é favorável a criação de uma agência reguladora dos players do setor, para que juros e taxas cobrados tenham critério de mercado, ao contrário do que ocorre atualmente.




Leia Também:
Anterior:

Próxima:

Publicidade